Pescador mexicano

pescador-mexicano

Versão em Texto:

HISTÓRINHA

Pescador mexicano

Em uma aldeia de pescadores, na costa do México, uma pequena embarcação regressa ao meio-dia de seu trabalho diário. Um turista americano de idade avançada, que caminha com dificuldade, se aproxima daquele pescador de pele queimada pelo sol do Caribe. Depois de comprovar a qualidade do produto, o turista pergunta com ar de autoridade:
– Quanto tempo você levou para pescar essa quantidade de peixes e mariscos?
– Não muito, não muito, responde o pescador.
– Então, por que não trabalha mais tempo no mar e pesca mais? Assim poderia aumentar seus lucros.
O pescador encolhe os ombros e responde:
– Esta quantidade é suficiente para as necessidades da minha família.
– Mas, então, o que você faz com o resto do seu tempo? Está desperdiçando uma grande oportunidade…
– Brinco com meus filhos, converso com minha esposa, visito minha mãe doente e faço uma sesta, embalado pelas ondas do mar. À noite, vou à vila ver meus amigos, tomar umas bebidas e cantar umas músicas.
O americano interrompe, movendo a cabeça:
– Eu posso dar a você o segredo para ter uma vida realmente boa. Você deve fazer o seguinte: se trabalhar umas dezesseis horas por dia na pesca, poderá vender mais peixes e ganhará muito dinheiro. Com este fundo adicional, poderá comprar um barco maior. Com o lucro, então irá adquirir um segundo e um terceiro barco, e assim sucessivamente, até possuir uma marinha pesqueira. Em vez de vender seus peixes a um intermediário, poderá negociar diretamente com os frigoríficos e empresas de exportação e, assim, rapidamente, será dono de uma empresa multinacional. Claro, vai ter que trabalhar muito; levantar cedo e dormir tarde, não terá folga, deverá ter dois telefones celulares e terá que sacrificar sua família por um tempo.
Então, levantando a bengala em sua mão, exclamou o americano:
– Quando você estiver rico, ahhh, poderá fazer o que quiser com todo o dinheiro; como eu que fico três dias descansando todos os anos nestas belas praias do Caribe.
– Quanto tempo levaria isso? Pergunta o mexicano, com um leviano sorriso.
– Uns vinte ou vinte cinco anos, responde o americano. Porém pode variar, se tiver algum imprevisto.
– E depois?
O magnata da economia responde calmamente:
– Aí começa a parte boa da história. Depois de tanto tempo de sacrifício, você se retira e vai viver em uma vila nas margens do mar, dorme até tarde, pesca só umas horas, descansa ao lado de sua esposa, brinca com os netos e passa as noites se divertindo com seus amigos…

História tirada do Livro “Como Evangelizar com parábolas” de José H. Prado Flores e Ângela M. Chineze – Editora Cânção Nova, 2008 – 6ª edição.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *